quinta-feira, 3 de dezembro de 2015

Literacia 3D


A iniciativa LITERACIA 3D – o desafio pelo conhecimento, promovida pela Porto Editora, consiste num desafio nacional dirigido aos alunos dos 2.º e 3.º ciclos do Ensino Básico, envolvendo os respetivos professores e estabelecimentos de ensino, com o propósito de avaliar a literacia da leitura, da matemática e da ciência.
Os docentes incentivaram os alunos a participarem nesta atividades, recolheram as inscrições e divulgaram a prova modelo junto dos inscritos. Na última semana de novembro, 13 alunos do 5.º ano resolveram a de Português, 9 do 7.º ano a de matemática e 35  do 8.º ano a de Ciências.
No final das provas, foram entregues os diplomas que atestam que os alunos participaram no referido desafio.

terça-feira, 10 de novembro de 2015

Dia Europeu das Línguas - Árvore dos Desejos

No passado mês de setembro, no nosso Agrupamento, comemorou-se o “Dia Europeu das Línguas”. Nesta atividade, que resultou da articulação entre o Departamento de Línguas e a BE, estiveram envolvidos os alunos dos 3.º e 4.º anos, bem como os do 2.º e 3.º ciclos e secundário.

Com o objetivo de estreitar laços de cooperação entre os diferentes elementos da comunidade escolar, melhorar os resultados escolares, fomentar a educação para a cidadania e divulgar as línguas mãe e estrangeiras que constituem a oferta do Agrupamento, alunos e professores escreveram, em português, francês e inglês, num cartão, os desejos que gostariam de ver concretizados neste ano letivo. A atividade culminou com a colocação dos referidos cartões na “Árvore dos Desejos”.

sexta-feira, 6 de novembro de 2015

Formação do Utilizador


Formação do Utilizador




      Com o intuito de valorizar a BE, motivar os alunos para o seu uso, esclarecer a sua forma de organização e ensiná-los a tirar partido das suas diferentes valências, foi desenvolvida uma ação de formação dirigida aos utilizadores dos 4.º, 5.º e 7.º anos.
     À turma do quarto ano, para além da indicação das regras de funcionamento, foi lida e interpretada a história “Sábios como Camelos” de José Eduardo Agualusa. Aproveitando o lema do MIBE, “A Biblioteca Escolar é Super”, foi criado um mural onde os alunos colocaram um adjetivo que biblioteca.

16 de outubro - Dia Mundial da Alimentação


Dia Mundial da Alimentação





         Para comemorar, a 16 de outubro, o Dia Mundial da Alimentação, a equipa da Biblioteca  Escolar selecionou materiais para serem usados nas salas de aula do pré-escolar e do 1.º ciclo. Os docentes colaboraram com a Biblioteca, lendo livros que abordam esta temática, nomeadamente O Tomás já não cabe nos calções, A Lagarta Comilona, O dia em que a barriga rebentou e A cesta da dona Maricota, e resolvendo atividades de expressão plástica e de escrita.
            Foi, ainda, exposto, nas bibliotecas escolares, o fundo documental que aborda esta temática, e os alunos resolveram, nos tempos livres, atividades lúdicas.

sábado, 31 de outubro de 2015

'Carlota Barbosa, a Bruxa Medrosa'

Carlota Barbosa, a Bruxa Medrosa

                As turmas do Pré-escolar do Agrupamento deslocaram-se à BE da EB2 para ouvirem mais uma história no âmbito do Projeto Ler Para Crescer. Os alunos estiveram atentos à leitura do livro Carlota Barbosa, a Bruxa Medrosa de Layn Marlow e Joelle Dreidemy, efetuada pela Equipa da Biblioteca. De seguida, recontaram-na e executaram trabalhos de expressão plástica. Por fim, acompanhados à viola pelo docente de Educação Musical, todos cantaram uma bela canção alusiva à história lida.

Música: Atirei o pau ao gato

A Carlota é uma bruxa…xa
Bem medrosa…sa…
Bem medrosa…sa…
Assustou-se…se
Com o morcego…go
E lá caiu
E lá caiu
O Espinosa
Au! Au!

 
Ao salvar o Espinosa…sa
A Carlota…ta…
Perdeu o medo…do…
Ficou então a Carlota…ta…
Uma bruxa
Uma bruxa
Corajosa
UAU!

quinta-feira, 29 de outubro de 2015

Clube de Leitura


Cartaz MIBE


terça-feira, 13 de outubro de 2015

A Queda da Monarquia e a Implantação da República


Para comemorar “A Queda da Monarquia e Implantação da República” em Portugal, facto que ocorreu no dia 5 de outubro de 1910, as professoras responsáveis pela Biblioteca Escolar e o Clube de História, Célia Lopes e Maria Rita Granado, levaram a cabo algumas atividades, na Biblioteca Escolar da Escola N.º 2 do Agrupamento de Escolas de Figueira de Castelo Rodrigo.
As professoras apresentaram as seguintes atividades lúdico-didáticas:
. Exposição do fundo documental sobre a temática;
. Resolução de fichas de trabalho e jogos educativos;
. Visionamento dum PowerPoint.
Com esta atividade e como a escola não é apenas um lugar para aquisição de conhecimento, mas também um espaço de educação para a vida, pretendeu dar-se a conhecer às crianças o antes do 5 de Outubro de 1910, em que havia um Rei a governar e uma Monarquia Hereditária, e o após, em que passou a existir uma República, tendo como chefe de governo um Presidente da República.
As turmas de 6.º Ano deslocaram-se à Biblioteca Escolar durante a aula de História e Geografia de Portugal para visionarem um PowerPoint sobre o tema, tendo-se seguido um debate e a realização de alguns passatempos sobre o tema.

Durante o período de permanência da exposição, os alunos mostraram-se muito interessados, colaborantes e a atividade decorreu de uma forma ordeira e organizada.

segunda-feira, 14 de setembro de 2015

4 razões para não abandonar a leitura


1 – Conhecimento
Os livros têm a capacidade de ampliar o repertório cultural fazendo com que tenha acesso a diversas áreas do conhecimento ao longo de uma só leitura. Em geral, as pessoas que leem frequentemente possuem assuntos abrangentes e têm mais hipóteses de obterem um bom desempenho em provas mais extensas como os exames, por exemplo.

2 - Pensamento crítico
É muito provável que desenvolva uma reflexão crítica sobre as principais temáticas que podem aparecer durante a leitura. Os livros podem mudar a visão de mundo do leitor fazendo com que ele encare muitos assuntos com uma perspetiva diferente.

3 - Exercício mental
Ler é uma ótima forma de estimular a atividade mental já que, além de ampliar o vocabulário, desenvolve as habilidades de escrita e aumenta a capacidade de interpretar textos. Além de ser um ótimo exercício para manter o cérebro ativo, a leitura é capaz de despertar a criatividade e a imaginação no leitor, estimulando o seu pensamento inovador, de forma a que ele sempre tenha novas ideias.

4 - Alívio do stresse

A leitura pode diminuir os sintomas de stresse acumulados ao longo de uma semana intensa de trabalho ou de estudos. Além disso, ler um pouco antes de dormir pode ajudá-lo a adormecer mais facilmente, fazendo com que acorde mais bem-disposto no dia seguinte.

Modelo de Pesquisa e Tratamento de Informação

sábado, 5 de setembro de 2015

Centros de Recursos TIC para a Educação Especial (CRTIC)

DGE
     «A criação de uma rede nacional de Centros de Recursos TIC para a Educação Especial decorre de uma política de inclusão dos alunos com Necessidades Educativas Especiais, de carácter prolongado, no ensino regular. A rede é constituída por 25 Centros de Recursos sedeados em Agrupamentos de escolas.
     A finalidade dos Centros de Recursos TIC para a Educação Especial consiste na avaliação destes alunos para fins de adequação das tecnologias de apoio às suas necessidades específicas, na informação/formação dos docentes, profissionais, auxiliares de educação e famílias sobre as problemáticas associadas aos diferentes domínios de deficiência ou incapacidade.
     Cada Centro tem um raio de ação e apoio a outros agrupamentos de escolas, a nível distrital (aprox.). A rede cobre todo o país com 7 Centros na Zona Norte, 6 na Zona Centro, 7 na zona de Lisboa e Vale do Tejo, 4 na zona do Alentejo e 1 na zona do Algarve.
Ligações para as páginas Web dos CRTIC: mapa de Portugal - mosaico
.
     Os Centros de Recursos seguem normas de funcionamento próprias - Guia de Funcionamento dos CRTIC 2015.
     O processo de constituição da rede de Centros de Recursos TIC para a Educação Especial iniciou-se com o arranque parcial de 14 Centros no ano letivo de 2007-2008, tendo-se completado com os restantes em 2008-2009, distribuídos pelas 5 regiões educativas.
     Em 21 de maio de 2015 foi publicado em D.R. o Despacho 5291/2015, reconhecendo a rede dos CRTIC como entidades prescritoras de produtos de apoio, financiados pelo Ministério da Educação e Ciência.»

terça-feira, 1 de setembro de 2015

Superlua e eclipse lunar


     No próximo dia 27 de setembro, será possível visualizar um fenómeno muito raro: uma lua vermelha, devido a um eclipse lunar, e de tamanho maior do que o normal (aos nossos olhos), devido à aproximação da Terra.
     Trata-se de um evento que só voltará a ter lugar em 2033. O vídeo animado acima apresentado, da autoria da NASA, permite compreender melhor o evento.

sábado, 29 de agosto de 2015

Visita Virtual à Biblioteca Joanina


     A Biblioteca Joanina alberga um conjunto de obras muito raras do século XII à atualidade.
     São pedaços de História de um país quase milenar que podem ser visualizados, por quem se encontra distante geograficamente, aqui: »»».

segunda-feira, 24 de agosto de 2015

As línguas mais faladas no mundo



sábado, 25 de julho de 2015

Batalha de Ourique

     Batalha de Ourique, 25 de julho de 1139.

"Já fica vencedor o Lusitano,
Recolhendo os troféus e presa rica;
Desbaratado e roto o Mauro Hispano,
Três dias o grão Rei no campo fica.
Aqui pinta no branco escudo ufano, 
Que agora esta vitória certifica,
Cinco escudos azuis esclarecidos,
Em sinal destes cinco Reis vencidos."

Luís de Camões, Os Lusíadas, Canto III, est. 53

terça-feira, 21 de julho de 2015

quarta-feira, 15 de julho de 2015

Lista completa dos livros recomendados pelo Plano Nacional de Leitura (2015)


          A listagem completa pode ser consultada aqui. »»»

Biblioteca Nacional Digital


     Clicar na imagem para ter acesso à biblioteca digital.

Um símbolo em livros


sábado, 4 de julho de 2015

Novo programa de Português do ensino básico

     O novo programa de Português do ensino básico pode ser consultado ou descarregado aqui. »»»

Designação do professor bibliotecário


quinta-feira, 2 de julho de 2015

Visita virtual a monumentos portugueses


          A digitalização do património português conheceu um novo avanço.
          Em colaboração com a Direção-Geral do Património Cultural, a Google concebeu visitas virtuais a 57 locais portugueses, desde palácios a jardins e ruínas, encontrando-se as imagens disponíveis na plataforma Google Maps.
          Em simultâneo, no Google Cultural Institute será incluída a coleção Maravilhas de Portugal, que possibilitará a visualização de espaços como o Palácio da Pena, o Mosteiro da Batalha ou o dos Jerónimos.

quinta-feira, 18 de junho de 2015

Pais vão poder ver datas dos testes, notas, faltas e trabalhos dos filhos na Internet

                O Governo está a trabalhar numa plataforma que permitirá que os encarregados de educação, a partir de 2016, através da Internet, possam controlar toda a informação sobre a vida escolar dos filhos.

                Os EE passarão a ter acesso a um vasto conjunto de informações: sumários das aulas, trabalhos de casa, datas das provas de avaliação e respetivas notas, assiduidade, etc. O projeto terá início no ano letivo de 2016/2017, em 15 escolas-piloto numa fase experimental, generalizando-se a partir de setembro de 2017.

quarta-feira, 17 de junho de 2015

Hélia Correia vence Prémio Camões 2015


terça-feira, 16 de junho de 2015

Publicação de inéditos de Pessoa


     Foram publicados recentemente 18 contos inéditos de Fernando Pessoa, numa coletânea que inclui outras narrativas do poeta, intitulada Estrada do Esquecimento e Outros Contos.
     A obra é constituída também por uma introdução de Ana Maria Freitas, investigadora do Instituto de Estudos sobre o Modernismo, da Universidade Nova de Lisboa, que se tem dedicado ao estudo do espólio do escritor.
     Da lista dos inéditos, fazem parte "A Estrada do esquecimento", "O caso do sargento falso", "A caçada", "Gastrónomo", "O prior de Buarcos", "Uma tarde clerical", "O José Mole", "Um conto" e "O que fazia o bem".
     Em vida, Fernando Pessoa apenas publicou alguns poemas dispersos, incluindo alguns assinados pelos seus heterónimos, e Mensagem, em 1934.

segunda-feira, 15 de junho de 2015

Correção do exame nacional de Português 9.º ano - 2015

Grupo I

1. Sequência: E - B - A - C - D

2.1. B

2.2. C

2.3. A

2.4. B

3. D

4. Antecedente: "a viagem".



Grupo II

1. Antes de terem de enfrentar o tufão, os navegadores enfrentaram dificuldades de navegação, correntes rápidas e a falta de mantimentos.

2. A comparação entre o barco e um berço aponta para a fragilidade e a instabilidade daquele, perante a forte agitação do mar. De facto, a figura de estilo faz contrastar a pequenez do barco com o tamanho das ondas que o acometem.

3. A expressão sugere que o grito que se fez ouvir no barco de António de Faria, aliado à ausência de resposta ao mesmo, deixaram os marinheiros amedrontados, inquietos, expectantes e ansiosos, numa espécie de paralisia que lhes pareceu ter durado imenso tempo.

4.1. As estâncias transcritas pertencem ao episódio da "Tempestade" e inserem-se no plano da Viagem.

4.2. As semelhanças que existem entre os acontecimentos narrados nos textos são as seguintes:
         - os marinheiros enfrentam condições climatéricas muito adversas que lhes
            dificultam e põe em causa a viagem;
         - face ao perigo, os marinheiros tomam medidas para evitar o naufrágio, como, por
            exemplo, lançar fora parte da carga do barco.



Grupo III

1.
     a - 4
     b - 3
     c - 1

2.1. A

2.2. D

3.1. Oração subordinada substantiva completiva.

3.2. Oração subordinada adjetiva relativa restritiva.

4. Ter-lhe-ia emprestado A Peregrinação se já a tivesse lido há mais tempo.


domingo, 14 de junho de 2015

"Palavras do Mundo em Cartaz"

     Diversos alunos do Agrupamento participaram no concurso "Palavras do Mundo em Cartaz", uma iniciativa do PNL que consistia na elaboração de cartazes subordinados ao tema acima referido.
     José Ferreira, do 9.º A, na categoria do 3.º ciclo, e André Pereira, do 10.º C, na área do ensino secundário, com os trabalhos que podem ser apreciados em baixo.

(c) José Ferreira

(c) André Pereira


sábado, 13 de junho de 2015

Tapete de leitura


     Na sequência do projeto 'Ler para Crescer', a equipa da BE leu a obra A galinha ruiva, através da criação de um tapete de leitura, às turmas do pré-escolar do Agrupamento e da Casa da Freguesia de Escalhão, bem como à turma dos 5 anos da Fundação Mariana Seixas.

'Ler para Crescer'

     O projeto Ler para Crescer prosseguiu no terceiro período.
     As obras lidas e trabalhadas na reta final do presente ano letivo foram O Coelhinho Branco, de António Torrado (turmas do 1.º ano), A Menina Gotinha de Água, de Papiniano Carlos (turmas do 2.º ano, B do 3.º da EB1 de FCR e do 1.º ciclo das escolas da Vermiosa, Reigada e Escalhão).
     Foram ainda lidos os contos "À roda da lua", de António Torrado (3.º A) e "O Príncipe Feliz", de Oscar Wilde (4.º ano).
     Mais uma vez, a colaboração e envolvência dos pais e encarregados de educação foi crucial para o sucesso do projeto e das diversas sessões de leitura levadas a cabo ao longo de todo o ano escolar.

Oficina de escrita criativa


     A BE, em articulação com o agrupamento disciplinar de Português, promoveu a realização de uma oficina de escrita criativa, dinamizada pela companhia Mundo Brilhante, na pessoa do Dr. Alfredo Leite, no passado dia 9.
     O público-alvo desta iniciativa foram os alunos dos 5.º e 8.º anos e a turma C do 7.º.
     Os alunos, sob as orientações do formador, foram desafiados, em cada sessão, a redigirem um conto, tendo-se envolvido empenhadamente e colaborado ativamente na atividade.

Férias escolares reduzidas ao mês de agosto?


     Jorge Ascensão, o presidente da Confederação Nacional das Associações de Pais (Confap), criticou as pausas avulso (referindo-se à proposta do Conselho de Escolas, que sustenta a introdução de uma pausa letiva no outono) e defendeu que as aulas deveriam "começar no início de setembro e terminar apenas no final de julho", ou seja, os alunos teriam apenas um mês de férias no verão.
     A Confap entende que é preciso repensar o tempo em sala de aula e a forma de ensinar: "As aulas podem começar logo em setembro mas é preciso haver mudanças. Podem estar na escola sem atividade letiva, sem estar a estudar o programa curricular. Os miúdos precisam de respirar a escola sem ser dentro das paredes da sala de aula. Tem de haver um envolvimento com a biblioteca e com os espaços exteriores".
     O Português pode aprender-se através do teatro, a História com visitas a zonas históricas ou o Inglês através de "Semanas da Língua" promovidas pela escola, exemplificou.

segunda-feira, 1 de junho de 2015

Poema "Um livro"

Um livro


Levou-me um livro em viagem,
não sei por onde é que andei.
Corri o Alasca, o deserto,
andei com o sultão no Brunei?
P´ra falar verdade, não sei.

Com um livro cruzei o mar,
não sei com quem naveguei.
Com marinheiros, corsários,
tremendo de febres e medo?
P´ra falar verdade, não sei.

Um livro levou-me p´ra longe,
não sei por onde é que andei.
Por cidades devastadas,
no meio da fome e da guerra?
P´ra falar verdade, não sei.

Um livro levou-me com ele
até ao coração de alguém,
E aí me enamorei-
de uns olhos ou de uns cabelos?
P´ra falar verdade, não sei.

Um livro num passe de mágica
tocou-me com o seu feitiço:
Deu-me a paz e deu-me a guerra,
mostrou-me as faces do homem
-porque um livro é tudo isso.

Levou-me um livro com ele
pelo mundo a passear,
Não me perdi nem me achei
-porque um livro é afinal …

Um pouco da vida, bem sei.

                                            João Pedro Mésseder, O g é um gato enroscado.


quarta-feira, 20 de maio de 2015

'Esteiros', Soeiro Pereira Gomes


     «A história de cinco meninos que trabalhavam em vez de ir à escola, é a obra prima de Soeiro Pereira Gomes. A miséria retratada em "Esteiros" é mais do que ficção: é a realidade de um país pobre, sem esperança, onde mais de metade da população é analfabeta.»

Conversor ortográfico e de ficheiros


     O Conversor do Acordo Ortográfico da Porto Editora é uma ferramenta gratuita que possibilita a adaptação à nova ortografia, quer em português europeu quer em português do Brasil. O Conversor de texto converte palavras conforme a ortografia antiga para a nova grafia e resolve no mesmo instante qualquer dúvida ortográfica.
Conversor de ficheiros converte o conteúdo de ficheiros de texto para a nova grafia. A aplicação dá suporte a documentos em formato Word.

Semana Cultural do Livro e da Leitura (2015)


     Decorreu, entre os dias 18 e 26 de abril, a Semana Cultural do Livro e da Leitura, uma realização da iniciativa do município.
     Em resultado da parceria existente entre aquela entidade e o agrupamento de escolas, os alunos do concelho participaram empenhadamente nas diversas atividades que tiveram ao seu dispor.
     Assim, as crianças do ensino pré-escolar e do 1.º e 2.º ciclos assistiram à peça A Lição da Árvore, apresentada pelo grupo Lanterna Mágica. Por sua vez, o núcleo de teatro da Escola Secundária procedeu à leitura dramatizada da obra A Promessa, da autoria de Bernardo Santareno.


     Durante toda a semana, esteve aberta a feira do livro anual, a qual foi visitada pelo público em geral e pelos alunos de todas as escolas, mediante um calendário previamente elaborado.
     Estava prevista também a realização de uma palestra com a escritora Fátima Marinho, vocacionada para os discentes do 3.º ciclo, que não se efetivou, porém, por motivos pessoais da autora que a impediram de se deslocar até nós na data prevista.

terça-feira, 19 de maio de 2015

Correção do Exame de Português 6.º ano - 2015

Grupo I

1.1. ambicionavam.

1.2. unificou o Médio Oriente.

1.3. utilizavam belos materiais vindos de diversas regiões.

1.4. organizado.

2. D - A - E

3. As populações vencidas foram integradas no império, tendo-lhes sido permitido manter a própria cultura, falar a sua língua e praticar a sua religião. Deste modo, os reis asseguravam a paz.



Grupo II

1. 4 - 1 - 5 - 2 - 6 - 3

2. Ali Babá não sabia quem eram os cavaleiros que se aproximavam: se se tratava de pessoas honestas ou de salteadores, por isso se escondeu.

3. Ali Babá tinha medo que os cavaleiros o matassem, por isso pensou aproveitar o facto de terem entrado na gruta para fugir.

4. Duas razões:
     - Estava imóvel empoleirado na árvore.
     - Tinham passado cerca de duas horas.

5. A expressão é a seguinte: «... estava toda entregue ao seu espanto.».

6.1. Enumeração.

6.2.



Grupo III

1. ricaço - riqueza - enriquecedor

2.
- Amanhã, eu visitarei o Museu de História Natural.
- Talvez nós sejamos os primeiros a entrar nessa caverna.
- Gostava que tu fosses àquele museu.

3. Preposição.

4.1. Eles nunca os levam para aquelas cavernas.

4.2. Eu mostrei-lhe uma rocha.

5. O jornalista entrevistou um explorador famoso.

6. A Rita disse ao Tiago que tinha entrado / entrara naquela caverna no dia anterior.

'Auto da Barca do Inferno' (Série Grandes Livros)

segunda-feira, 18 de maio de 2015

Correção do Exame de Português - 4.º ano - 2015

Grupo I

1.1. expõe informações.

1.2. fraco olfato, mas visão e audição excelentes.

1.3. ovos.

2. A, D

3. O comentário feito por Rita é adequado, porque as aves, no meio das folhas das árvores, mesmo que não se vejam, comunicam umas com as outras através do seu canto.

4. D, A, B




Grupo II

1. Ordem dos momentos da narrativa: 4 - 5 - 1 - 3 - 2

2.1. se apercebeu de que desconhecia a famosa ave.

2.2. entusiasmo

2.3. energia invulgar

4. As pessoas que vivem na corte não têm muitos conhecimentos sobre a natureza, já que confundiram o mugido da vaca e o coaxar das rãs com o canto do rouxinol.


5. "Oiço-o agora, é como sinozinhos de igreja."

6. A rapariguinha da cozinha é muito importante no desenrolar da ação da história, porque conhece bem o rouxinol, conduz os membros da corte até ele e convence-o a cantar para o Imperador.

7.
   A - tempo
   B - espaço
   C - espaço




Grupo III

1.
Na cozinha, o cavaleiro perguntou à rapariga:
- Conheces o rouxinol?
- Claro que sim! - exclamou a rapariga.

2. O escritor fez a mais notável descrição do jardim do palácio.

3. B

4.
   A - adjetivo
   B - nome
   C - nome
   D - adjetivo

5.
Pronome possessivo: "nosso".
Pronome demonstrativo: "aquele".
Pronome pessoal: "ele".

6. deram a volta ao mundo.

terça-feira, 5 de maio de 2015

Os 41 anos do 25 de abril


                A Revolução de abril de 1974 atingiu este ano o 41.º aniversário, uma etapa crucial da História de Portugal mais contemporânea.
                Neste contexto, a professora Maria Rita Granado, na qualidade de dinamizadora do Clube de História e em articulação com a docente Célia Ribeiro, responsável pelas Bibliotecas Escolares do Agrupamento, proporcionou aos alunos o visionamento do filme Capitães de Abril, na BE da Escola N.º 2. A sessão teve lugar no dia 29 de abril, pelas 14h30m, e nela participaram os alunos do 5.º ano, turmas A, B e C, que frequentam as aulas de Apoio ao Estudo, as tutorias e o apoio prestado pela docente de Educação Especial. Após o visionamento do filme, foi desenvolvido um pequeno debate com os alunos, destinado a esclarecer alguns aspetos da película, seguida de uma atividade lúdica.

                Com esta atividade e como a escola não é apenas um espaço de aquisição de conhecimento, mas também um espaço de educação para a vida, de desenvolvimento harmonioso da personalidade e de formação de um cidadão livre e responsável, pretendeu fomentar-se nas crianças a noção do exercício pleno dos seus direitos, no respeito pelos seus deveres.

terça-feira, 28 de abril de 2015

Dia do Livro


                Para comemorar o dia do livro, 23 de abril, foi desenvolvidas diversas iniciativas, como a divulgação do fundo documental. Assim, foram expostos livros de várias áreas dos saberes e, aproveitando um artigo do jornal Expresso intitulado "50 livros que toda a gente deve ler”, foi dado destaque àqueles que existem na Biblioteca.

                Por outro lado, o mural de escrita foi dedicado ao livro, tendo sido lançado aos alunos o desafio de escreverem sobre o pode ser um livro. Na BE da EB 2, foram ainda expostos os livros de aquisição mais recente.

segunda-feira, 27 de abril de 2015

"Testamento de vgm"

deixo a meus filhos versos cultos
e também prosas às centenas
(os meus dois filhos são adultos
e as minhas filhas são pequenas)
e muito amor: não deixo apenas,
tudo somado, alguns direitos,
e fui bom pai, nunca fiz cenas
e fi-los sãos e escorreitos.

e à minha neta Francisquinha,
senhora que é do seu nariz,
deixo a ternura que esta linha
desajeitadamente diz
e seja a flor desta raiz
já desgrenhada que deu frutos
e tenha sorte num país
em que o avô lidou com brutos.

aos meus irmãos, aos meus cunhados,
à primalhada, um grande abraço,
lembrando bons e maus bocados
que reforçaram sempre o laço
que nos unia a cada passo,
quer no lazer, quer no trabalho,
e quando eu for lívido e baço
sintam que assim eu inda valho.

não creio em deus, não me atingiram
seus metafísicos engodos.
no homem que sou evoluíram
peixes, macacos, algas, lodos,
celtas, judeus, romanos, godos,
mas recebi, por formação,
os sacramentos quase todos
e só me falta a extrema-unção.

" - terceira idade", digo e brinco,
sem ter poção nem amuleto
que me devolva aos trinta e cinco
e reestofe o esqueleto.
outros fariam um soneto
de hora final quando a mão treme,
eu escrevi este folheto
e assinei-o vgm.

                    Vasco Graça Moura

domingo, 26 de abril de 2015

Concurso Nacional de Leitura 2015 - Fase Distrital


Os alunos Salomé Baltazar, Diogo Almeida, ambos do 8.º B, e Elisabete Silva, do 9.º B, participaram na 2.ª Fase do Concurso Nacional de Leitura 2014/2015, fase distrital, que decorreu em Almeida, no dia 22 de abril. Esta foi a 9.ª edição do Concurso Nacional de Leitura, que tem sido promovido pelo Plano Nacional de Leitura (PNL) em parceria com a DGLAB (Direção Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas) e com a RBE (Rede de Bibliotecas Escolares) e que conta com o apoio da RTP.
Os alunos inscritos e os professores acompanhantes foram recebidos, no Largo 25 de Abril, pelos funcionários da Biblioteca Municipal Maria Natércia Ruivo e do Município de Almeida, responsáveis pela organização deste evento.
Os participantes foram acompanhados até à Biblioteca Municipal Maria Natércia Ruivo, onde realizaram a prova escrita (fase eliminatória). Enquanto ela decorreu, os professores visitaram o Museu Histórico Militar de Almeida, com passagem pelo Centro Histórico.
O concurso continuou depois no auditório de Almeida, onde foram comunicados os resultados da prova escrita, tendo decorrido a seguir a prova oral, para a qual ficaram apurados cinco alunos do secundário e cinco do 3.º ciclo, entre os quais a nossa brilhante aluna, Elisabete Silva.
No final, foram entregues os prémios e os certificados de participação. Parabéns a todos os participantes, especialmente à Elisabete, que teve um excelente desempenho, tanto na prova escrita como na oral, e que, inexplicavelmente, não foi a vencedora do seu escalão, tendo ficado em segundo lugar. É caso para parafrasear: há razões que a razão desconhece.

terça-feira, 21 de abril de 2015

Uma ilustre visita


                No dia 17 de abril, a BE da Escola Secundária teve o prazer de receber nas sias instalações o Dr. António Vermelho do Corral, uma figura sobejamente conhecida do concelho.

                Após uma visita guiada ao espaço em que funciona a biblioteca, da responsabilidade da professora bibliotecária, o Dr. Vermelho do Corral ofereceu, simpaticamente, três obras da sua autoria que vêm enriquecer o nosso espólio, a saber: Quinta-feira da Ascensão, Quinta-feira da Espiga. Festa do Leite; Medicina Popular Tradicional – Religião, Superstições na Cultura Ribacundana (vol. II) e Processo Ritual e Tradição em Portugal a partir da Cultura da Zona de Riba Côa - Figueira de Castelo Rodrigo (vols. I e II).

"Palavras do Mundo em Cartaz"


                O Agrupamento irá participar no concurso “Palavras do Mundo em Cartaz”, uma iniciativa do PNL, participação essa enquadrada e subordinada ainda ao tema da Semana da Leitura.

Semana da Leitura 2015

     Mais uma vez, a Semana da Leitura foi comemorada no agrupamento através da realização de várias atividades. Este ano aproveitámos o ensejo para celebrar também o Dia Mundial da Poesia.
     Começámos por ler, no dia 13 de março, o livro Frederico à turma do pré-escolar da Casa de Freguesia de Escalhão. Os alunos ouviram atentamente a história, recontaram-na e com plasticina moldaram ratos e alguns dos elementos da natureza referidos na história. Observámos com imenso agrado o interesse manifestado pela docente para se integrar nas atividades de leitura dinamizadas pela BE.

     No dia 17, todas as turmas do 2.º e 3.º ciclos e do ensino secundário foram envolvidas no projeto Todos a LER. Assim, leram, no início de cada uma das aulas lecionadas, um poema selecionado pela equipa da biblioteca. O feedback da atividade foi positivo, tanto da parte dos docentes como dos alunos, alguns dos quais foram de imediato requisitar obras de onde tinham sido retirados os poemas.
     No dia 19, os alunos do pré-escolar da Vermiosa e da Reigada, aproveitando a deslocação às atividades dos Dia das Ciências, ficaram o resto do dia connosco. Almoçaram na cantina e, depois de se juntarem a nós os alunos do pré-escolar de Figueira, leram o livro Os ovos misteriosos, de Luísa Ducla Soares e recontaram-no. Posteriormente, procuraram entre as estantes e os expositores uma imagem colorida dos animais que participaram na ação. De seguida pintaram uma imagem ampliada correspondente àquela que encontraram, a qual foi colocada dentro do ovo. Terminadas as atividades de leitura, o esforço dos alunos foi recompensado com a degustação de um belo lanche confecionado pelos alunos do CEF-PP2.

     Os pais foram igualmente convidados para participaram na iniciativa, contando belas histórias à turma dos seus educandos, nomeadamente nas turmas A e B do 2.º e 3.º anos e A do 4.º ano da EB1 de Figueira de Castelo Rodrigo nas turmas do 3. º A B, 4.º A, 2.º A e B e pré-escolar.

     Por outro lado, às turmas do 1.º e 2.º ciclos foi lançado o desafio de construírem textos para colaborar no projeto História da Ajudaris. Algumas aceitaram o repto, pelo que foram enviados quatro textos, para um deles ser selecionado e integrar uma obra cujos proventos reverterão a favor da obra da instituição.
     Por seu turno, as turmas B e C do 8.º ano e A do 9.º elaboraram poemas alusivos ao tema da Semana da Leitura, tendo esta última produzido ainda um cartaz com palavras que são quase desconhecidas e a do 10.º C outro com arcaísmos. Estes trabalhos forma expostos na BE.

     O Mural de Escrita, subordinado ao tema da Semana, procurou desenvolver a competência da escrita, a criatividade e o espírito crítico, propondo aos alunos que escrevessem sobre a sua palavra preferida ou sobre a importância das palavras.

     Por último, a Equipa da Biblioteca Escolar promoveu uma exposição do fundo documental, dando realce a livros das várias áreas e de vários suportes e também ao fundo documental relacionado com a poesia.

quinta-feira, 16 de abril de 2015

'metáfora habitada', Breve Leonardo

Sentam-se à direita do homem
as sombras,
as predilectas

opacas e profundas, fugazes
como centos de manhãs incompletas
de pássaros incapazes

as sombras,
tão imperfeitamente exactas, diríamos,
como auto-retratos em decomposição.


Outubro 2014, 11

'O Timbre e o Silêncio'


     Depois do destaque dado a António Fonseca, a Equipa das BE do Agrupamento de Escolas de Figueira de Castelo tem o maior prazer em divulgar mais um autor ligado a este concelho
     Breve Leonardo (pseudónimo) nasceu em Almada, em 1969, vive atualmente na aldeia do Bizarril e acaba de publicar a obra poética O Timbre e o Silêncio, uma edição de autor.


     Colaborador irregular no DN Jovem até à mudança por motivos profissionais para o Algarve, o seu primeiro poema, assinado com o pseudónimo Ricardo S., data de 1984. Seguiram-se-lhe novas colaborações com a imprensa, nomeadamente o jornal O Primeiro de Janeiro, até que, já a viver na nossa região, passou a divulgar a sua produção literária através de dois blogues, nomeadamente A Barca dos Amantes, onde escreve com a regularidade que «lhe é possível».
     Encontra-se já em preparação o segundo volume de textos poéticos de sua autoria, com edição prevista para o início do próximo ano e com o título provisório de Pedra Brisa Cinza Vaga.

terça-feira, 14 de abril de 2015

A partida de Günter Grass

     O Prémio Nobel da Literatura de 1999 faleceu ontem, aos 87 anos, na cidade de Lübeck, Alemanha.
     Nascido a 16 de outubro de 1927, em Gdansk, integrou as Waffen-SS hitlerianas durante a II Guerra Mundial e acabou por ser capturado, em 1945, pelas forças aliadas após ter sido ferido.
     A sua carreira literária teve início em 1959 com a publicação da obra O Tambor de Lata, posteriormente traduzida em várias línguas e adaptada ao cinema.
     Seguiram-se-lhe cerca de mais 30 obras, distribuídas por diferentes géneros (romance, poesia, teatro, textos autobiográficos), como Uma longa história, Mau agoiro, O cão de Hitler, Descascando a cebola, A caixa, O meu século, O pregado, A passo de caranguejo.
     O escritor e artista plástico, polémico assumido, consciência crítica da Alemanha nos últimos anos, não possuía telemóvel e dizia que a ideia de o ter e "estar sempre contactável e de certa forma observável" o aborrecia. Aliás, as (novas) tecnologias e as redes sociais tinham para si o efeito de uma alergia. Assim, escreveu sempre os livros à mão, passando-os depois através da sua velha máquina de escrever. Mais: quando os seus netos lhe falavam no Facebook e lhe diziam que tinham "500 amigos", Grass respondia: "Quem tem 500 amigos, não tem amigos.".

quinta-feira, 2 de abril de 2015

Curiosidades Científicas

     O jornal I , com o apoio do projeto Ciência Viva, tem vindo a publicar, na sua última página, questões curiosas de ciência com as respetivas respostas de cientistas.
     A lista de perguntas e respostas pode ser encontrada aqui.

sábado, 28 de março de 2015

'O Poema', Herberto Helder

Um poema cresce inseguramente
na confusão da carne.
Sobe ainda sem palavras, só ferocidade e gosto,
talvez como sangue
ou sombra de sangue pelos canais do ser.

Fora existe o mundo. Fora, a esplêndida violência
ou os bagos de uva de onde nascem
as raízes minúsculas do sol.
Fora, os corpos genuínos e inalteráveis
do nosso amor,
rios, a grande paz exterior das coisas,
folhas dormindo o silêncio
— a hora teatral da posse.

E o poema cresce tomando tudo em seu regaço.

E já nenhum poder destrói o poema.
Insustentável, único,
invade as casas deitadas nas noites
e as luzes e as trevas em volta da mesa
e a força sustida das coisas
e a redonda e livre harmonia do mundo.
— Em baixo o instrumento perplexo ignora
a espinha do mistério.

— E o poema faz-se contra a carne e o tempo.


[in Ofício CantantePoesia Completa, de Herberto Helder, Assírio & Alvim, 2009]

quarta-feira, 25 de março de 2015

Um poema de Herberto Helder

a vida inteira para fundar um poema,
a pulso,
um só, arterial, com abrasadura,
que ao dizê-lo os dentes firam a língua,
que o idioma se fira na boca inábil que o diga,
só quase pressentimento fonético,
filológico,
mas que atenção, paixão, alumiação,
¿e se me tocam a boca?
de noite, a mexer na seda para, desdobrando-se,
a noite extraterrestre bruxulear um pouco,
o último,
assim como que húmido, animal, intuitivo, de origem,
papel de seda que a rútila força lírica rompa,
um arrepio dentro dele,
batido, pode ser, no sombrio, como se a vara enflorasse com as faúlhas,
e assim a mão escrita se depura,
e se movem, estria atrás de estria, pontos voltaicos,
manchas ultravioletas a arder através do filme,
leve poema técnico e trémulo,
a vida inteira para fundar um poema,
a pulso,
um só, arterial, com abrasadura,
que ao dizê-lo os dentes firam a língua,
que o idioma se fira na boca inábil que o diga,
só quase pressentimento fonético,
filológico,
mas que atenção, paixão, alumiação,
¿e se me tocam a boca?
de noite, a mexer na seda para, desdobrando-se,
a noite extraterrestre bruxulear um pouco,
o último,
assim como que húmido, animal, intuitivo, de origem,
papel de seda que a rútila força lírica rompa,
um arrepio dentro dele,
batido, pode ser, no sombrio, como se a vara enflorasse com as faúlhas,
e assim a mão escrita se depura,
e se movem, estria atrás de estria, pontos voltaicos,
manchas ultravioletas a arder através do filme,
leve poema técnico e trémulo,
linhas e linhas,
línguas,
obra-prima do êxtase das línguas,
tudo movido virgem,
e eu que tenho a meu cargo delicadeza e inebriamento
¿tenho acaso no nome o inominável?
mão batida, curta, sem estudo, maravilhada apenas,
nada a ver com luminotecnia prática ou teórica,
mas com grandes mãos, e eu brilhei,
o meu nome brilhou entrando na fase inconsútil,
e depois o ar, e os objectos que ocorrem: onde?
fora? dentro?
no aparte,
no mais vidrado,
no avêsso,
no sistema demoroso do bicho interrompido na seda,
fibra lavrada sangrando,
uma qualquer arte intrépida por uma espécie de pilha eléctrica
como alma: plenitude,
através de um truque:
os dedos com uma, suponhamos, estrela que se entorna sobre a mesa,
poema trabalhado a energia alternativa,
a fervor e ofício,
enquanto a morte come onde me pode a vida toda

                                                                      [in Ofício Cantante, Assírio & Alvim, 2008]